Tópicas nos trópicos

o sublime em O Guarani (1857), de José de Alencar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v14i35.1604

Palavras-chave:

Romantismo, Literatura brasileira, Retórica

Resumo

Este texto volta-se para um conjunto de lugares-comuns presentes no romance O Guarani (1857), de José de Alencar. Para tanto, buscamos historicizar o paradigma artístico que subsidiou sua escrita, analisar a construção do éthos indígena e mapear algumas figuras mobilizadas para descrever as florestas brasileiras e o cataclismo que encerra a narrativa. Nossa proposta atém-se a uma abordagem estética que não negligencia o caráter datado dos códigos linguísticos, ou seja, tópicas como originalidade e genialidade foram tomadas como convenções ou constructos que o romance alencariano buscou dissimular para atender aos protocolos literários de sua época. Embora seja recorrente a negação dos artifícios retórico-poéticos, o romancista recorreu a novos recursos como, por exemplo, à concepção de sublime. Não há, portanto, ausência de protocolos e prescrições, mas a eleição de outros expedientes letrados articulados às propostas políticas de D. Pedro II, ao projeto indianista e às novas demandas estéticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleber Vinicius do Amaral Felipe, Universidade Federal de Uberlândia

Cleber Vinicius do Amaral Felipe tem experiência nas áreas de História e Teoria Literária, com estudos sobre práticas letradas/literárias produzidas entre os séculos XVI-XIX (poesia épica, relatos de naufrágio, contos, romances) e literatura de testemunho, com ênfase na obra de Primo Levi. É autor do livro Heroísmo na singradura dos mares: histórias de naufrágios e epopeias na conquista ultramarina portuguesa (2018) e coautor dos Estudos sobre a Épica Luso-Brasileira (Séculos XVI-XVIII), de 2021.

Referências

ABREU, Mirhiane Mendes de. Ao pé da página: a dupla narrativa em José de Alencar. 2002. Tese (Doutorado). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

ALENCAR, José de. Cartas sobre “A confederação dos tamoios”. Rio de Janeiro: Empreza Typographica Nacional do Diário, 1856.

ALENCAR, José de. Como e porque sou romancista. Rio de Janeiro: Typ. De G. Leuzinger & Filhos, 1893.

ALENCAR, José de. Iracema. Brasília: Câmara dos Deputados; Edições Câmara, 2013.

ALENCAR, José de. O guarani. São Paulo: Ática, 1996.

ARISTÓTELES. Arte Retórica e Arte Poética. Tradução de Antonio Pinto de Carvalho. São Paulo: Edições de Ouro, 1980.

BLAIR, Hugh. Lectures on Rhetoric and Belles Lettres. Carbondale: Southern Illinois UP, 2005.

BOSI, Alfredo. Um mito sacrificial: o indianismo de Alencar. In: BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BURKE, Edmund. Uma investigação filosófica sobre a origem de nossas ideias do sublime e do belo. Campinas, SP: Editora da Universidade de Campinas, 1993.

CAMÕES, L. Os Lusíadas. Porto Alegre: L&PM, 2008.

CAMPATO JR., João Adalberto. A Confederação de Magalhães: epopeia e necessidade cultural. In: TEIXEIRA, Ivan (org.). Épicos: Prosopopeia / O Uraguai / Caramuru / Vila Rica / A Confederação dos Tamoios / I Juca Pirama. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008. p. 829-845.

CARDOSO, Eduardo Wright. A visualização da paisagem nacional: apreensões diversas da cor local em José de Alencar e Euclides da Cunha. História Unisinos, São Leopoldo, v. 22 , n. 1, p. 62-74, jan/abr. 2018.

CARVALHO, Francisco Freire de. Lições elementares de poética nacional, seguidas de um breve ensaio sobre a crítica literária. Lisboa: Tipografia Rollandiana, 1840.

CHAGAS, Pinheiro. Ensaios Críticos. Porto: Casa de Viúva Moré, 1866.

CHAGAS, Pinheiro. Literatura Brasileira – José de Alencar. In: ALENCAR, José de. Iracema. Rio de Janeiro: José Olympio, 1965.

CHAUVIN, Jean Pierre. Retórica, Controvérsia Oitocentista. Patrimônio e Memória, Assis, v. 13, n. 2, p. 14-27, 2017.

CHAUVIN, Jean Pierre. Uma agudeza alencariana. Opiniões, São Paulo, n. 14, p. 286-299, 2019.

CUNHA, Cilaine Alves. Atavismo neoclássico de Gonçalves Dias. Língua e Literatura, São Paulo, n. 27, p. 227-244, 2001-03.

ESTEVES, Lainister de Oliveira. Alfarrábios, lendas e romances: o passado colonial na chave da literatura de horror do século XIX. In: DAHER, Andrea (org.). Passado presente: usos contemporâneos do “passado colonial”. Rio de Janeiro: Gramma, 2017. p. 1-40.

FERRETTI, Danilo José Zioni. A Confederação dos Tamoios como escrita da história nacional e da escravidão. História da Historiografia, Ouro Preto, v. 8, n. 17, p. 171-191, abr. 2015. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/831. Acesso em: 30 mar. 2021.

LICHTENSTEIN, Jacqueline. A pintura – v. 5. Textos Essenciais: da Imitação à Expressão. São Paulo: Editora 34, 2004.

LUZ, Guilherme Amaral. Flores do Desengano: Poética do Poder na América Portuguesa (séculos XVI-XVIII). São Paulo: Editora Fap-Unifesp, 2013.

MAGALHÃES, Gonçalves de. A Confederação dos Tamoios. Rio de Janeiro: Livraria de B. L. Garnier, 1864.

MARTINS, Eduardo Vieira. A fonte subterrânea: o pensamento crítico de José de Alencar e a retórica oitocentista. 2003. Tese (Doutorado). Instituto de Estudos da Linguagem – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

MARTINS, Eduardo Vieira. Apresentação. In: TÁVORA, Franklin. Cartas a Cincinato: estudos escritos por Semprônio. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

MARTINS, Eduardo Vieira. José de Alencar e a floresta do Brasil. Teresa, São Paulo, n. 12/13, p. 455-468, 2013.

MARTINS, Eduardo Vieira. O mito alencariano. Via atlântica, São Paulo, n. 6, p. 45-64, out. 2003.

RAMOS, Francisco Régis Lopes. José de Alencar e a operação historiográfica: fronteiras e disputas entre história e literatura. História da Historiografia, Ouro Preto, v. 8, n. 18, p. 160-177, ago. 2015. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/815. Acesso em: 30 mar. 2021.

ROMERO, Sílvio. História da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Garnier, 1888.

TÁVORA, Franklin. Cartas a Cincinato. Estudos críticos de Semprônio. Pernambuco: J. W. Medeiros, 1872.

TEIXEIRA, Ivan. O Uraguai: diatribe contra o regicídio e contra a monarcomaquia. In: TEIXEIRA, Ivan (org.). Épicos: Prosopopeia / O Uraguai / Caramuru / Vila Rica / A Confederação dos Tamoios / I Juca Pirama. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008. p. 159-250.

VERÍSSIMO, José. História da literatura brasileira. Ministério da Cultura: Fundação Biblioteca Nacional, 1916.

Downloads

Publicado

2021-03-29

Como Citar

FELIPE, C. V. do A. Tópicas nos trópicos: o sublime em O Guarani (1857), de José de Alencar . História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 14, n. 35, p. 21–51, 2021. DOI: 10.15848/hh.v14i35.1604. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1604. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Artigo original