Pintura de uma paisagem

Teoria da história e história da historiografia: aberturas para “histórias não-convencionais”

Thamara de Oliveira Rodrigues

Resumo


Este artigo tem como objetivo discutir a relação entre o que chamaremos de “histórias não-convencionais”, a teoria da história e a história da historiografia. Discutiremos aberturas possíveis das disciplinas para esferas que tensionam com seus protocolos sedimentados e, também, a relação destas aberturas com a emergência de uma temporalidade que tem transformado as humanidades e suas prioridades epistemológicas. Argumentaremos que os passados práticos, a critical quantitative inquiry, o paradigma da presença, a história pública e as historiografias populares seriam alguns exemplos de aberturas para “histórias não-convencionais”, à medida que intervêm criticamente no que diz respeito aos discursos e paradigmas históricos e historiográficos academicamente instituídos.


Referência bibliográfica


ARAUJO, Valdei L. Historiografia, nação e os regimes de autonomia na vida letrada no Império do Brasil. Varia história, v. 31, n. 56, p. 365-400, 2015.

ARAUJO, Valdei L. Observando a observação: sobre a descoberta do clima histórico e a emergência do cronótopo historicista, c.1820. In: CARVALHO, J.M.; CAMPOS, A.P. Perspectivas da Cidadania no Brasil Império. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 2011, p. 281- 303.

ARAUJO, Valdei; PEREIRA, Mateus. Atualização (update) como conceito revelador da experiência da História na era digital: descrevendo o "atualismo”. SBTHH, 2018.

ARAUJO, V. L.; RANGEL, M.M. Apresentação – Teoria e história da historiografia: do giro linguístico ao giro ético-político. História da Historiografia, n. 17, p. 318-332, abr., 2015.

ABREU, M.; RANGEL, M. Memória, cultura histórica e ensino de história no mundo contemporâneo. História e Cultura, Franca, v. 4, n. 2, p. 7-24, set. 2015.

ALMEIDA, Juniele Rabelo; MAUAD, Ana; SANTHIAGO, Ricardo (orgs.). História Pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

ALMEIDA. Juniele Rabêlo; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (orgs.). Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2012.

BARBOSA, Alexandre Rodrigues de Frias. Eu me lembro dessa história porque eu estava lá: o ensino de História pela narração e poiesis. Revista Transversos, v. 7, n. 7, p. 71-99, 2016.

BENTIVOGLIO, Julio. Precisamos falar sobre o currículo de História. Café História. Publicado em 15 de Maio de 2017. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/curriculo-de-historia/. Acesso em: 18 abr. 2018.

BEVERNAGE, Berber. History, Memory, and State-Sponsored Violence: Time and Justice. New York: Routledge, 2012.

CHAKRABARTY, Dipesh. Antropocene Time. History and Theory, n. 57, p. 5-32. 2018.

DE GROOT, Jerome. Consuming history: historians and heritage in contemporary popular Culture. London: Routledge, 2009.

DENZIN, Norman K. Critical Qualitative Inquiry. Qualitative Inquiry, v. 23, n. 1, p. 8–16, 2017.

DOMANSKA, Ewa. El ‘viaraje performativo’ en la humanistica atual. Criterios: Revista Internacional de Teoría de la literatura, las Artes y la Cultura, v. 37, p. 125-142, 2011.

DOMANSKA, Ewa. The Material Presence of the Past. History and Theory, v. 45, p. 337-348, 2006.

DOMANSKA, Ewa. Sincerity and the Discourse of the Past. Paper presented at the International Conference on the History and Theory of Historical Studies: Historical Studies: Disciplines and Discourses. CEU, Budapest, October 21-24, 2004.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. Uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Our broad presente: time and contemporary culture. Columbia University Press, 2014.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Atmosfera, ambiência, “Stimmung”. Sobre um potencial oculto na literatura. Rio de Janeiro: Constraponto/PUC-RJ, 2014.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de Presença. O que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Constraponto/PUC-RJ, 2010.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. After learning from History. In: GUMBRECHT, Hans Ulrich. In 1926 – Living at the edge of time. Harvard University Press: 1997, p. 411-436.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Modernização dos Sentidos. São Paulo: Editora 34, 1998.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

HURLEY, Andrew. Chasing the Frontiers of Digital Technology - Public History Meets the Digital Divide. The public historian, v. 38, n. 1, p. 69–88, 2016.

KOSELLECK, Reinhart. O conceito de História. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro. Editora PUC Rio, 2006.

MALERBA, Jurandir. Acadêmicos na berlinda ou como cada um escreve a História?: uma reflexão sobre o embate entre historiadores acadêmicos e não acadêmicos no Brasil à luz dos debates sobre Public History. História da Historiografia, n. 15, p. 27-50, 2014.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Lisboa: Antígona, 2014.

MERRITT, Keri L. Let the Historians Speak. The New York Times. July 14, 2017.

PALETSCHEK, Sylvia. (ed.) Popular Historiographies in the 19th and 20th centuries. Cultural Meanings, Social Practices. New York, Oxford: Berghahn Books, 2011.
PIHLAINEN, Kalle. On historical consciousness and popular pasts. História da Historiografia, v. 15, p. 10-26, 2014.

RANGEL, Marcelo M. História e Stimmung a partir de Walter Benjamin: Sobre algumas possibilidades ético-políticas da historiografia. Cadernos Walter Benjamin. V. 17, p. 1-12, 2016.

RANGEL, M.M.; SANTOS, F. M. História intelectual, ética e política. Revista Ágora, n. 21, p.7-14, 2015.

SANTHIAGO, Ricardo. A História Pública é a institucionalização de um espírito que muitos historiadores têm tido, por milhares de anos: Uma entrevista com David King Dunaway sobre História Oral, História Pública e o passado nas mídias. Revista Transversos, v. 7, n. 7, p. 203-222, 2016.

SANTHIAGO, Ricardo. Duas palavras, muitos significados - Alguns comentários sobre a História Pública no Brasil. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; SANTHIAGO, Ricardo. História Pública no Brasil - Sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

SILVA, Daniel Pinha. Ampliação e veto ao debate público na escola: História Pública, ensino de História e o projeto “Escola sem partido”. Revista Transversos, v. 7, n. 7, p. 11-34, 2016.

TEMKIN. Moshik. Historians Shouldn't Be Pundits. The New York Times. June 26, 2017.

WHITE, H. El pasado práctico. In: TOZZI, V.; LAVAGNINO, N. (orgs.). Hayden White, la escritura del passado y el futuro de la historiografia. SáenzPeña: Universidad Nacional de Tres de Febrero, 2012.

WHITE, H. The past is a place of fantasy. In. DOMANSKA, E. Philosophy of History after Postmodernism. The University Press of Virginia, 1998, p. 13-38.

Palavras-chave


Teoria e História da Historiografia; Histórias não-convencionais; História Pública

Texto completo:

96-123 (English)


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v12i29.1303

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia