O revisionismo histórico nas comemorações do golpe civil-militar de 1964 durante o governo Bolsonaro (2019-2022)

heranças autoritárias e encerramento do passado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v16i41.2003

Palavras-chave:

Ditadura Militar, Memória, Negacionismo

Resumo

O objetivo geral deste artigo consiste em problematizar as narrativas comemorativas divulgadas pelo governo Bolsonaro nos aniversários do golpe civil-militar de 1964, questionando a permanência de elementos discursivos de caráter revisionista e negacionista sobre a ditadura militar brasileira. A análise está centrada nas Ordens do Dia publicadas pelo Ministério da Defesa no dia 31 de março, entre os anos de 2019 e 2022. Os resultados indicam que a
narrativa revisionista presente nas Ordens do Dia encontra-se fundamentada em estruturas discursivas construídas desde o golpe e a ditadura militar brasileira. Dentre os argumentos evocados, consta a ênfase para o apoio popular, a retórica anticomunista e a reelaboração positivada do passado ditatorial, omitindo a violência e a perseguição política. Ademais, o destaque conferido à Lei da Anistia como “pacto pacificador” e o interesse em compreender a ditadura “em seu próprio contexto histórico” articula-se ao desejo encerramento do passado autoritário e a promoção do esquecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

A META da marinha é a valorização do homem. Folha de S. Paulo, São Paulo, ano LXIX, n. 14.898, 31 mar. 1970. Primeiro Caderno, p. 6.

ADORNO, Theodor Ludwig Wiesengrund. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1995.

ANIVERSÁRIO da Revolução será comemorado em todo o país. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, ano LXXIV, n. 55, 9 mar. 1965. Primeiro Caderno, p. 3.

ÁVILA, Arthur Lima de. Qual passado usar? A historiografia diante dos negacionismos. Café História. Brasília, 29 abr. 2019. Disponível em: https://bit.ly/3yGwLKl. Acesso em: 21 abr. 2021.

BATISTA, Ariel Cherxes. O revisionismo utilizado como política de governo pelo bolsonarismo. Cadernos de Pesquisa do CDHIS, Uberlândia, v. 34, n. 2, p. 128-155, jul./dez. 2021.

BAUER, Caroline Silveira. La dictadura cívico-militar brasileña en los discursos de Jair Bolsonaro: usos del pasado y negacionismo. Relaciones Internacionales, Madri, v. 28, n. 57, p. 37-51, 2019.

BRASIL. Ministério da Defesa. Ordem do Dia Alusiva ao 31 de Março de 1964. Brasília, 31 mar. 2019. Disponível em: https://bit.ly/3NASPtP. Acesso em: 18 jan. 2022.

BRASIL. Ministério da Defesa. Ordem do Dia Alusiva ao 31 de Março de 1964. Brasília, 31 mar. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3NzqTXq. Acesso em: 18 jan. 2022.

BRASIL. Ministério da Defesa. Ordem do Dia Alusiva ao 31 de Março de 1964. Brasília, 31 mar. 2021. Disponível em: https://bit.ly/3OKvl72. Acesso em: 18 jan. 2022.

BRASIL. Ministério da Defesa. Ordem do Dia Alusiva ao 31 de Março de 1964. Brasília, 31 mar. 2022. Disponível em: https://bit.ly/3nzHXlp. Acesso em: 1 abr. 2022.

CARVALHO, Alessandra; CATELA, Ludmila da Silva. 31 de marzo de 1964 en Brasil: memorias deshilachadas. In: JELIN, Elisabeth (org.). Las conmemoraciones: las disputas en las fechas “in-felices”. Madri: Siglo XXI Editores, 2002. p. 195-244.

CASTRO, Celso. Exército e nação: estudos sobre a história do Exército brasileiro. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2012.

CERRI, Luis Fernando. Ensino de história e consciência histórica: implicações didáticas de uma discussão contemporânea. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2011.

CHAGAS, Viktor. Meu malvado favorito: os memes bolsonaristas de WhatsApp e os acontecimentos políticos no Brasil. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 34, p. 169-196, 2021.

CLICHÊS políticos se renovam. Folha de S. Paulo, São Paulo, ano LXIV, n. 20.086, 31 mar. 1984. Primeiro Caderno, p. 6.

CORDEIRO, Janaína Martins. A Marcha da Família com Deus pela Liberdade em São Paulo: direitas, participação política e golpe no Brasil, 1964. Revista de História, São Paulo, n. 180, p. 1-19, 2021.

FERNANDES, Maria Cristina et al. ‘Nossa bandeira jamais será vermelha’, afirma Bolsonaro na posse. Valor, 1, jan., 2019. Disponível em: http://glo.bo/3OFq0hl. Acesso em: 18 jan. 2022.

FERREIRA, Cristina. Cinquenta anos do golpe civil-militar: ordem cívica e ilegalidade no início do governo ditatorial no Brasil (1964-1965). Passagens, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 191-213, mai./ago. 2017.

FESTA da Revolução terá Elisete. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, ano LXXIX, n. 301, 29 e 30 mar. 1970. Primeiro Caderno, p. 7.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Memória, história, testemunho. In: BRESCIANI, Maria Stella; NAXARA, Márcia (org.). Memória e (res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. Campinas: Ed. UNICAMP, 2004. p. 83-93.

GEISEL exalta a democracia no aniversário da Revolução. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, ano LXXIX, n. 302, 31 mar. 1970. Primeiro Caderno, p. 5.

GOVERNO Bolsonaro ganha na Justiça direito de celebrar Golpe Militar de 64. Poder360, 17, mar., 2021. Disponível em: https://bit.ly/3R8aCeP. Acesso em: 18 jan. 2022.

MALERBA, Jurandir. Os historiadores e seus públicos: desafios ao conhecimento histórico na era digital. Revista Brasileira de História, Rio de Janeiro, v. 37, n. 74, p. 135-154, 2017.

MÁXIMO, Wellton et al. Com 100% das urnas apuradas, Bolsonaro obteve 57,7 milhões de votos. Agência Brasil, 28, out., 2018. Disponível em: https://bit.ly/3nANet3. Acesso em: 23 jun. 2022.

MILITÃO, Eduardo. Em clima de campanha, Bolsonaro elogia Ustra e diz que ‘luta contra o mal’. Uol, 27, mar., 2022. Disponível em: https://bit.ly/3ydZLrf. Acesso em: 23 jun. 2022.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. O golpe de 1964 e a ditadura nas pesquisas de opinião. Revista Tempo, Rio de Janeiro, v. 20, p. 1-21, 2014.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Passados presentes: o golpe de 1964 e a ditadura militar. Rio de Janeiro: Zahar, 2021.

NAPOLITANO, Marcos. Recordar é vencer: as dinâmicas e vicissitudes da construção da memória sobre o regime militar brasileiro. Antíteses, Londrina, v. 8, n. 15, p. 9-44, nov., 2015.

NATEL: Brasil reencontrou-se consigo. Folha de S. Paulo, São Paulo, ano LI, n. 15.263, 31 mar. 1971. Primeiro Caderno, p. 6.

PEREIRA, Matheus Henrique de Faria. Lembrança do presente: ensaios sobre a condição histórica na era da internet. Belo Horizonte: Autêntica, 2022.

PORTELLI, Alessandro. O massacre de Civitella Val di Chiana (Toscana, 29 de junho de 1944): mito e política, luto e senso comum. In: AMADO, Janaina; FERREIRA, Marieta de Moraes (coord.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2006. p. 103-130.

REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

REÚNE-SE hoje comissão encarregada de comemorar aniversário da Revolução. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, ano LXXIV, n. 56, 10 mar. 1965. Primeiro Caderno, p. 11.

REVOLUÇÃO Democrática de 31 de Março de 1964. Exército Brasileiro, Campo Grande, 10, abr., 2017. Disponível em: https://bit.ly/3R5CRuS. Acesso em: 3 jul. 2022.

RODEGHERO, Carla Simone. A Anistia de 1979 e seus significados, ontem e hoje. In: REIS FILHO, Daniel; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá (org.). A ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de 1964. Rio de Janeiro: Zahar, 2014. p. 172-185.

ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha Viz. Apresentação. In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha Viz (org.). A construção social dos regimes autoritários: legitimidade, consenso e consentimento no Século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. p. 11-32.

SILVA, João Teófilo. As Forças Armadas brasileiras e as heranças da ditadura militar de 1964: cultura política de direita e tentativa de interdição do passado (1995-2014). In: BOHOSLAVSKY, Ernesto; MOTTA, Rodrigo Patto Sá; BOISARD, Stéphane (org.). Pensar as direitas na América Latina. São Paulo: Alameda, 2019. p. 99-120.

SOARES, Ingrid. Bolsonaro diz que não houve golpe militar em 1964: Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que que o Marechal Castelo Branco foi eleito de acordo com a Constituição. Correio Braziliense, 31, mar., 2020. Disponível em: https://bit.ly/3ykIWeu. Acesso em: 18 jan. 2022.

TEMORES agora são por festas da Revolução. Folha de S. Paulo, São Paulo, ano XLVIII, n. 14.168, 31 mar. 1968. Primeiro Caderno, p. 17.

VIDAL-NAQUET, Pierre. Assassinos da memória: “Um Eichman de papel” e outros ensaios sobre o revisionismo. Campinas: Papirus, 1988.

VILELA, Pedro Rafael. Bolsonaro autoriza celebração do 31 de março de 1964: uma mensagem em alusão à data será lida nos quarteis. Agência Brasil, Brasília, 25, mar., 2019. Disponível em: https://bit.ly/3uljqo5. Acesso em: 18 jan. 2022.

ZIMMERMANN, Ana Carolina. O golpe vira uma festa: o 31 de março de 1964 nos discursos e práticas cívico-patrióticas (1970-1971). 2020. TCC (Graduação em História) - Departamento de História e Geografia, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2020.

Downloads

Publicado

2023-12-26

Como Citar

ZIMMERMANN, A. C. O revisionismo histórico nas comemorações do golpe civil-militar de 1964 durante o governo Bolsonaro (2019-2022): heranças autoritárias e encerramento do passado. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 16, n. 41, p. 1–27, 2023. DOI: 10.15848/hh.v16i41.2003. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/2003. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo original