Lima Barreto e a política dos sentidos em Numa e a Ninfa

um estudo da expressividade do corpo

Autores

  • Thiago Sousa UFRN

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v16i41.1985

Palavras-chave:

Corpo, Espaço, Política

Resumo

Este artigo discute como Lima Barreto construiu uma política dos sentidos, isto é, de que forma refletiu sobre o tema do corpo no espaço no romance Numa e a Ninfa, embora outros manuscritos do autor sejam mobilizados para a articulação do tema. Os relatos que o carioca produziu acerca do espaço parlamentar permitem entender como a corporeidade de uma época – o Rio de Janeiro da Primeira República – ganha visibilidades e dizibilidades em sua fortuna. Desse modo, este artigo pontua que a crítica política barretiana, geralmente situada pelos pesquisadores de sua obra na discussão sobre ética e no empenho dos edis com a coisa pública, permite refletir sobre o teatro de emoções e gestualidades dos governantes. O olhar e a expressividade oral dos congressistas são avaliados neste artigo como forma de conferir o funcionamento dessa política dos sentidos, intencionada nas narrativas de Barreto a respeito dos corpos de homens e mulheres no e pelo espaço. Como resultado, avaliou-se que o estudo da expressividade desenvolvido por Barreto, além de ser uma maneira de ver o mundo, traduz percepções de que o corpo é um produto da cultura modulável pelo espaço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. (Mais)culinos: outras possibilidades de corpos e gêneros para as carnes sexuadas pela presença de um pênis. Outros tempos, São Luis, v. 7, n. 29, 2020, p. 260-281. Disponível em: https://outrostempos.uema.br/index.php/outros_tempos_uema/article/view/776. Acesso em: 13 maio 2021.

ALMEIDA, Luiz Alberto Scotto. Lima Barreto: o cânone e o bêbado. 1997. Dissertação (Mestrado em Literatura) – Programa de Pós-graduação em Literatura, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1997.

AZEVEDO NETO, Joachin de Melo. A vida literária e desencantos: uma história da formação intelectual de Lima Barreto (1881-1922). 2015. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, 2015.

BARBOSA, Francisco de Assis. A vida de Lima Barreto. 7. ed. São Paulo: Edusp, 1988.

BARRETO, Lima. As aventuras do Dr. Bogoloff. Belém: Editora UNAMA 1915. Disponível em: http://www.portugues.seed.pr.gov.br/arquivos/File/leit_online/lima3.pdf. Acesso em: 01 jan. 2021.

BARRETO, Lima. Diário íntimo. São Paulo: Brasiliense, 1956a.

BARRETO, Lima. Impressões de leitura. São Paulo: Brasiliense, 1956b.

BARRETO, Lima. Numa e a Ninfa. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2017a.

BARRETO, Lima. Numa e a Nympha. Rio de Janeiro: Officinas d’A Noite, 1915b.

BARRETO, Lima. Os Bruzundanga. São Paulo: Editora Ática, 1998a.

BARRETO, Lima. Toda crônica (1890-1919). Apresentação e notas de Beatriz Resende. Organização de Rachel Valença. v. 1., Rio de Janeiro: Agir, 2004.

BARRETO, Lima. Triste fim de Policarpo Quaresma. Rio de Janeiro: Editora Record, 1998b.

BARRETO, Lima. Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá. São Paulo: Edição da Revista do Brasil, 1919.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Tradução de José Carlos Martins Barbosa e Hemerson Alves Baptista. v. 3. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1997.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan-abr. de 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/Ycc5QDzZKcYVspCNspZVDxC. Acesso em: 08 out. 2021.

BURKE, Peter. A fabricação do rei: a construção da imagem pública de Luís XIV. Tradução Maria Luiza X. de A Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro de sombras: a política imperial. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

CHAUI, Marilena. Janela da alma, espelho do mundo. In: NOVAIS, Adauto (org.). O olhar. 5. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 31-64.

CORBIN, ALAIN. Historia del silencio: del renascimento a nuestros días. Traducción del Francés de Jordi Bayod. Barcelona: Acantilado, 2019.

COSTA, T. V. de S. Lima Barreto: um “juristinista” na tribuna das letras. Sæculum: Revista de História, João Pessoa, v. 26, n. 45, p. 73–88, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/59908. Acesso em: 8 jan. 2022.

COURTINE, Jean Jacques; HAROCHE, Claudine. História do rosto: expressar e calar as emoções. Tradução de Ana Moura. Petrópolis: Vozes, 2016.

COUTO, Mia. O cego estrelino. In: COUTO, Mia. Estórias abensonhadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. p. 21-26.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 6. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

ELPO, Leandro Amorim. O heroísmo do homem de letras em Lima Barreto. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande-RS, 2017.

ENGEL, Magali Gouveia. Os delírios da razão: médicos, loucos e hospícios (Rio de Janeiro, 1830-1930) [online]. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2001. Disponível em: https://books.scielo.org/id/7htrv. Acesso em: 14 fev. 2021.

GALHARDO, Beatriz. À escuta dos pés: caminhada e dança em ‘Notícias de América’. Coleção Pequena Biblioteca de Ensaios. Rio de Janeiro: Zazie Edições, 2020.

GAMA, Maria Sandra da. Entre mulheres e fronteiras, um escritor: lugares do feminino na obra de Lima Barreto (1902-1922).

Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal-RN, 2015.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Tradução de Maria Célia Santos Raposo. Petrópolis, Vozes, 1985.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Tradução de Dante Moreira. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, 2018.

GOMES JUNIOR, João. O corpo na história. Albuquerque: revista de história, Aquidauana, v. 12, n. 23, p. 12-24, 29 jun. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/AlbRHis/article/view/10002. Acesso em: 22 ago. 2021.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Prefácio. In: BARRETO, Lima. Clara dos Anjos. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2012. p. 35-47.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de matérias. Horizontes

Antropológicos, Porto Alegre, v. 18, n. 37, p. 25-44, jan-jun. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ha/a/

JRMDwSmzv4Cm9m9fTbLSBMs/?lang=pt. Acesso em: 18 dez. 2021.

LE BRETON, David. Antropologia dos sentidos. Tradução de Francisco Morás. Petrópolis: Vozes, 2016.

LE BRETON, David. Desaparecer de si: uma tentação contemporânea. Tradução Francisco Morás. Petrópolis: Vozes, 2018.

LE BRETON, David. Du silence: Essai. Paris: Éditions Métailié, 1997.

MALUF, Marina; MOTT, Maria Lúcia. Recônditos do mundo feminino. In: SEVCENKO, Nicolau (org.). História da vida privada no Brasil. v. 3. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 367-421.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O olho e o espírito. Tradução de Paulo Neves e Maria Ermantina Galvão Pereira. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

NOGUEIRA, Isildinha Baptista. A cor do inconsciente: significações do corpo negro. São Paulo: Perspectiva, 2021.

OAKLE, Robert John. Lima Barreto e o destino da literatura. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

RODRIGUES, Marco Antonio. Contos da vida burocrática: o funcionário público na narrativa curta de ficção brasileira. 2015. Tese (Doutorado em Literatura) – Programa de Pós-graduação em Literatura, Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

ROLNICK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 2014.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o ‘encardido’, o ‘branco’ e o ‘branquíssimo’: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulista. 2012. Tese (Doutorado em Psicologia) – Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Lima Barreto: triste visionário. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1999.

SILVA, Cinthia Mara Cecato. Do vivido ao escrito: o testemunho de Lima Barreto em Diário de Hospício e o Cemitério dos vivos. 2017. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2017.

SILVA, Hélcio Pereira da. Lima Barreto: escritor maldito. Rio de Janeiro: Departamento Gráfico do MAFC, 1976.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

VASCONCELLOS, Eliane. Entre a agulha e a caneta: a mulher na obra de Lima Barreto. Rio de Janeiro: Lacerda, 1999.

VIGARELLO, Georges. História da beleza. Tradução de Léo Schlafman. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

VIGARELLO, Georges. O sentimento de si: história da percepção do corpo, século XVI-XX. Tradução de Francisco Morás. Petrópolis: Vozes, 2016.

Downloads

Publicado

2023-06-28

Como Citar

SOUSA, T. Lima Barreto e a política dos sentidos em Numa e a Ninfa: um estudo da expressividade do corpo. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 16, n. 41, p. 1–29, 2023. DOI: 10.15848/hh.v16i41.1985. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1985. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Corpos, tempos, lugares da historiografia