Análise do mito da democracia racial a partir de Frantz Fanon e Sueli Carneiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v16i41.1946

Palavras-chave:

Pós-colonialismo, Brasil, Filosofia

Resumo

Neste trabalho buscamos compreender alguns elementos que fundamentam o racismo expresso no mito da
democracia racial e intencionamos explicar a exclusão do negro no Brasil. Assim, inicialmente, analisaremos, de
forma breve, os autores brasileiros Raimundo Nina Rodrigues, Arthur Ramos e Gilberto Freyre, buscando evidenciar
a construção da ideia de democracia racial. Por conseguinte, apresentaremos o pensamento de Frantz Fanon acerca
da objetificação da pessoa negra, com o intuito de mostrar que os procedimentos existentes na ideia de democracia
racial possuem um viés inferiorizante do negro, que culmina na negação desse sujeito. Por fim, recorreremos ao
pensamento de Sueli Carneiro, precisamente no que se refere ao conceito de dispositivo de racialidade/biopoder,
como meio de aprofundar a análise empreendida por Fanon. Como resultados desta pesquisa percebemos que
Carneiro, ao engendrar tal conceito, apresenta um novo aparato conceitual que evidencia como as relações de poder operam para a negação do sujeito negro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABBAGNANO, Nicolas. Dicionário de filosofia. Tradução de Ivone Castilho Benedetti. 6 edição. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

ANDRADE, Érico. A opacidade do iluminismo: o racismo na filosofia moderna. Kriterion. Belo Horizonte, v. 58, n. 137, p. 291-309, 2017. Disponível em: https://bit.ly/3IIWKmL. Acesso em 03 mar. 2022.

BARBOSA, Cibele. Casa Grande & Senzala: a questão racial e o “colonialismo esclarecido” na França do Pós-Segunda Guerra Mundial. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 33, n. 96, p. 1-16, 2018. Disponível em: https://bityli.com/YNKRpim. Acesso em 13 set. 2022.

BASTIDE, Roger; FERNANDES, Florestan (ed.). Relações Raciais entre Negros e Brancos em São Paulo. São Paulo: UNESCO, 1955.

CAMPOS. Luiz A. Relações Raciais entre Negros e Brancos em São Paulo: a história de uma edição. Revista Estudos Políticos, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 620-627, 2016. Disponível em https://bit.ly/3CdJO5P. Acesso em 03 mar. 2022.

CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CERQUEIRA, Daniel et al. Atlas da violência 2021. Brasília: IPEA, 2021.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FAUSTINO, Deivison Mendes. “Por que Fanon? Por que agora?”: Frantz Fanon e os fanonismos no Brasil. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. Rio de Janeiro: Editora Globo, 2008.

FOUCAULT, Michel. Sujeito e poder. In: RABINOW, Paul; DREYFUS, Hubert. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Tradução de Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, pp. 229-250.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1999a.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999b.

FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade, política. Tradução de Elisa Monteiro e Inês Autran Dourado. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2019.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2006.

IBGE. Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2019.

LOTIERZO, Tatiana. Racismo e estética na pintura brasileira. São Paulo: EDUSP, 2017.

MILLS, Charles. The racial contract. New York: Cornell University Press, 1999.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

MUNANGA, Kabengele. Teoria social e relações raciais no Brasil contemporâneo. Cadernos Penesb, Niterói, n. 12, p. 169-204, 2010. Disponível em: http://bit.ly/3Qyckbv. Acesso em 19 out. 2023.

NASCIMENTO, Abdias. O Quilombismo: documentos de uma militância pan-africanista. São Paulo; Rio de Janeiro: Perspectiva; IPEAFRO, 2019.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, 2016.

NASCIMENTO, Beatriz. Uma história feita por mãos negras: relações raciais, quilombos e movimentos. Rio de Janeiro: Zahar, 2021.

NINA RODRIGUES, Raimundo. Os Africanos no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1944.

RABINOW, Paul; DREYFUS, Hubert. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

RAMOS, Arthur. O negro brasileiro: etnografia religiosa e psicanálise. Rio de Janeiro: Civilização-Brasileira, 1934.

SCHECHTER, Rosa Coutinho; VIDAL, Paulo Eduardo Viana. O apagamento de Virgínia Leone Bicudo e seus trabalhos sociológicos. Revista Transversos. Rio de Janeiro, n. 20, p. 87-107, 2020. Disponível em: https://bit.ly/34bOhcK. Acesso em 04 mar. 2022.

SKIDMORE, Thomas E. Preto no branco. Tradução de Donaldson M. Garschagen. São Paulo: Cia das Letras, 2012.

Downloads

Publicado

2023-12-25

Como Citar

VIEIRA MENEZES CARNEIRO, R. Análise do mito da democracia racial a partir de Frantz Fanon e Sueli Carneiro. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 16, n. 41, p. 1–31, 2023. DOI: 10.15848/hh.v16i41.1946. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1946. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo original