Inovação “historiográfica” antes da história-disciplina

Alcântara Machado e a escrita sobre São Paulo no período colonial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v14i36.1707

Palavras-chave:

Historiografia brasileira, Método, História regional e local

Resumo

Este artigo analisa a produção de uma novidade em escritos sobre a história nos anos 1920, ou seja, antes da criação de faculdades de História no Brasil e posterior profissionalização dos historiadores. O objetivo é mostrar que a categorização das obras em uma genealogia de teorias, métodos e autores normalmente tidos como historiadores (de ofício ou não) e que hoje compõem uma visão de “evolução” da disciplina é insuficiente para abarcar as complexidades envolvidas na eleição de uma obra como novidade. Dessa forma, tomou-se como fio condutor o livro Vida e morte do bandeirante, de José de Alcântara Machado de Oliveira (1875-1941), publicado em 1929, e sua relação com outros autores que escreviam sobre a mesma temática no mesmo período. Ao se cotejar esses autores “em uma concorrência”, analisar as críticas de recepção da obra e relacioná-la com outros livros sobre o passado paulista, pode-se compreender que a novidade se expressou mais pela forma da escrita, pela aproximação a uma tendência já existente de relatos de curiosidades sobre o passado e pela relação com o direito, do que pelo apego a métodos historiográficos ou distanciamento deles. Trazer tudo isso para o debate permite, assim, compreender melhor as relações estabelecidas entre autor, obra, seus leitores e o espaço intelectual paulista dos anos 1920.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franco Della Valle, Universidade de São Paulo

Franco Della Valle é bacharel em Direito, licenciado em História, mestre e doutorando em História Social. Pesquisa temas sobre História Intelectual e sobre o Direito no Brasil. Publicou os seguintes artigos: Vida e morte do bandeirante: história e afeto do passado de São Paulo, pela revista Intellèctus, UERJ, em 2015, e Os juristas e a imagem da imprescindibilidade: a memória como capital simbólico, pela Revista Expedições: Teoria da História e Historiografia, UEG, em 2017. 

Referências

ABUD, Kátia Maria. O sangue intimorato e as nobilíssimas tradições. A construção de um símbolo paulista: o bandeirante. 1985. Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-graduação em História Social, FFLCH, USP, São Paulo, 1985.

ALCÂNTARA MACHADO d´Oliveira, José de. Comparar e julgar. O Estado de S. Paulo, São Paulo, p. 6, 2 maio 1933.

ALCÂNTARA MACHADO d´Oliveira, José de. Oração de Paraninfo. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, São Paulo, v. XXVIII, p. 79-90, 1932.

ALCÂNTARA MACHADO d´Oliveira, José de. Quatro Discursos. São Paulo: Estab. Graphico Pocai Wess & Cia, 1915.

ALCÂNTARA MACHADO d´Oliveira, José de. Vida e morte do bandeirante. São Paulo: Empreza Gráphica da Revista dos Tribunaes, 1929.

ALMEIDA NOGUEIRA, José Luis. A academia de São Paulo. Tradições e reminiscências. 3. ed. São Paulo: Edição Saraiva, 1977. v. 1.

AMED, Fernando. As cartas de Capistrano de Abreu. Sociabilidade e vida literária na belle époque carioca. São Paulo: Alameda, 2006.

ANHEZINI, Karina. Um metódico à brasileira: a escrita da história de Afonso de Taunay. Revista de História, São Paulo, n. 160, p. 221-260, 1. sem. 2009. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/19110. Acesso em: 9 jun. 2020.

BARRETO, Plínio. Livros novos. O Estado de S. Paulo, São Paulo, p. 3, 7 out. 1929.

BARROS, Maria Paes de. No tempo de dantes. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

BRUNO, Ernani Silva. Um ensaio sobre os bandeirantes. Folha de São Paulo, São Paulo, 4 set. 1979. Ilustrada, p. 27.

CANABRAVA, Alice P. Bandeiras. In: MORAES, Rubens Borba de e BERRIEN, William (dir.). Manual Bibliográfico de Estudos Brasileiro. Brasília: Edições do Senado Federal, 1998. v. 2. p 737-790.

Correio Paulistano, São Paulo, p 3, 16 ago. 1929.

DEBES, Célio. O historiador Washington Luís. In: LUÍS, WASHINGTON. Na capitania de São Vicente. Brasília: Edições do Senado Federal, 2004. p. 15-36.

ELLIS JUNIOR, Alfredo. O bandeirismo paulista e o recuo do meridiano. São Paulo: Typographia Piratininga, 1924.

ELLIS JUNIOR, Alfredo. Os primeiros troncos paulistas e o cruzamento euro-americano. São Paulo: Editora Nacional, 1936.

ELLIS JUNIOR, Alfredo. Raça de gigantes. São Paulo: Editorial Helios, 1926.

FERREIRA, Antônio Celso. A epopeia bandeirante: letrados, instituições, invenção histórica (1870-1940). São Paulo: Editora UNESP, 2002.

FERRETTI, Danilo José Zioni. A construção da paulistanidade. Identidade, historiografia e política em São Paulo (1856-1930). 2004. Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-Graduação em História Social da FFLCH, USP, São Paulo, 2004.

FERRETTI, Danilo José Zioni. A emergência de um discurso etno-historiográfico nos primórdios do IHGB: o caso do Brigadeiro Machado de Oliveira. In: Simpósio Nacional de História, XXIV, 2007, São Leopoldo. Anais [...]. São Leopoldo: Associação Nacional de História (ANPUH), 2007.

GUASTINI, Mário. Vida e morte do bandeirante. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, p. 4, 29 set. 1929.

LEONZO, Nancy. Pioneiro da História Social no Brasil. O Estado de S. Paulo, São Paulo, p. 4, 20 abr. 1991.

LIMA, Alceu Amoroso. Vida literária. O JornalB, Rio de Janeiro, p. 4, 17 nov. 1929.

Livros novos – Alcântara Machado – Vida e morte do bandeirante. Diário Nacional. A democracia em marcha, São Paulo, p. 5, 30 ago. 1929.

MARANHO, Milena Fernandes. A opulência relativizada. Níveis de vida em São Paulo do século XVII (1648-1682). Bauru: EDUSC, 2010.

MARTINS, Antônio Egídio. São Paulo antigo. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, [19--].

MARTINS, Renato. Tradição, Modernidade e a História da Américas em Visão do Paraíso (1946-1969). 2017. Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-Graduação em História Social da FFLCH, USP, São Paulo, 2017.

MEDEIROS E ALBUQUERQUE, José Joaquim de Campos da Costa de. Notas literárias. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, p. 3, 6 out. 1929.

MONTEIRO, John Manuel, Caçando com Gato – Raça, Mestiçagem e Identidade Paulista na obra de Alfredo Ellis Junior. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 38, p. 79-88, mar. 1994.

MOURA, Paulo Cursino de. São Paulo de outrora. Evocações da metrópole. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1954.

NICODEMO, Thiago Lima. Urdidura do vivido. Visão do Paraíso e a obra de Sérgio Buarque de Holanda nos anos 1950. São Paulo: EDUSP, 2008.

OLIVEIRA, José Joaquim Machado d´. Quadro histórico da Província de São Paulo. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo, 1978.

OSÉS, Mariana Ladeira. “Nós, os Annales”: Marc Bloch, Lucien Febvre e a produção da Revista dos Annales (1929-1944). 2018. Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História Social da FFLCH, USP, São Paulo, 2018.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Ufanismo Paulista: vicissitudes de um imaginário. Revista USP, São Paulo, vol. 13, p. 79, p. 79 – 87, mar./maio 1992.

Revista de Antropofagia, São Paulo, ano I, n. 10, p. 6, mar. 1929b.

Revista de Antropofagia, São Paulo, ano I, n. 9, p. 6, fev. 1929a.

RIBEIRO, João. Crônica Literária. Jornal do Brasil, p. 9, 18 set. 1929.

RIBEIRO, João. Crônica Literária. Jornal do Brasil, p. 8, 21 dez. 1927.

RODRIGUES, Ana Paula. António de Alcântara Machado com a câmera: exploração geográfica e cinematografia em Pathé-baby. Cadernos de semiótica aplicada, Araraquara, v. 10, n. 2, p. 1-14, dez. 2012. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/casa/article/view/5580. Acesso em: 12 abr. 2021.

ROIZ, Diego da Silva. Os projetos de escrita da História de Alfredo Ellis Jr. e Sérgio Buarque de Holanda: uma guerra de ideias no mundo dos letrados de São Paulo nos anos 1930-1940? Revista de Teoria da História, Goiânia, ano 5, n. 10, p. 10-46, dez. 2013. Disponível em https://www.revistas.ufg.br/teoria/article/view/29122. Acesso em: 12 abr. 2021.

ROURE, Agenor de. O ‘Triângulo’. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, p. 3, 29 set. 1929.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Segunda viagem a São Paulo e Quadro histórico da província de São Paulo. Brasília: Senado Federal, 2002.

SCHMIDT, Augusto Frederico. Vida e morte do bandeirante. O Jornal, Rio de Janeiro,

p. 2, 15 set. 1929.

SCHNEIDER, Alberto Luiz. MARTINS, Renato. A expansão paulista em Afonso de Taunay e Sergio Buarque de Holanda: reflexões e trajetórias. Revista de História, São Paulo, n. 78, p. 1-27, 2019. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/142456/155732. Acesso em: 12 abr. 2021.

SILVEIRA BUENO, Francisco da. Livros novos. Folha da Manhã, São Paulo, p. 8, 17 out. 1929.

SOUZA, Laura de Mello e. Alcântara Machado. Vida e morte do bandeirante. In: MOTA, Lourenço Dantas (org.). Introdução ao Brasil. Um banquete no trópico, 2. ed. São Paulo: Editora Senac, 2011. p 123-142.

SOUZA, Laura de Mello e. Aspectos da Historiografia e da Cultura sobre o Brasil Colonial. In: FREITAS, Lourenço Cezar de (org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Editora Contexto, 2010. p 17-38.

TAUNAY, Afonso de Escragnolle. Equipamento bandeirante. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, p. 5, 10 fev. 1929a.

TAUNAY, Afonso de Escragnolle. História Geral das Bandeiras Paulistas, tomo primeiro. São Paulo: Typographia Ideal – H. L. Canton, 1924.

TAUNAY, Afonso de Escragnolle. História Geral das Bandeiras Paulistas, tomo segundo. São Paulo: Typographia Ideal – H. L. Canton, 1925.

TAUNAY, Afonso de Escragnolle. História geral das bandeiras paulistas, tomo terceiro (1641-1651). São Paulo: Typographia Ideal – H. L. Canton, 1927.

TAUNAY, Afonso de Escragnolle. Peças do gentio da terra. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, p. 5, 3 mar. 1929b.

TRIGO, Maria Helena Bueno. Os paulistas de quatrocentos anos, ser e parecer, São Paulo: AnnaBlume, 2001.

VAINFAS, Ronaldo. História Cultural e Historiografia Brasileira. História: Questões e debates, Curitiba, n. 50, p. 217-235, jan./jun. 2009. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/historia/article/view/15676. Acesso em: 12 abr. 2021.

VALLE, Franco Della. Vida e morte do bandeirante: Alcântara Machado e a produção da história paulista. 2015. Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História Social da FFLCH, USP, São Paulo, 2015a.

VALLE, Franco Della. Vida e morte do bandeirante: história e afeto do passado de São Paulo. Intellèctus, Rio de Janeiro, ano XIV, n. 2, p. 111-128, 2015b. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/intellectus/article/view/20983. Acesso em: 12 abr. 2021.

VAMPRE, Spencer. Memórias para a história da Academia de São Paulo. São Paulo: Instituto Nacional do Livro – Conselho Federal de Cultura, 1977. v. 1.

VELLOSO, Mônica Pimenta. A brasilidade verde-amarela: nacionalismo e regionalismo paulista. 2ª edição. Rio de Janeiro: CPDOC – Fundação Getúlio Vargas, 1990.

VIANNA, Francisco José de. Populações meridionais do Brasil. 3. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1933.

ZAMBONI, João et all. Requerimento. Arquivo da Academia Paulista de Letras, pasta da cadeira n. 1. São Paulo, 1941.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

DELLA VALLE, F. Inovação “historiográfica” antes da história-disciplina: Alcântara Machado e a escrita sobre São Paulo no período colonial. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 14, n. 36, p. 319–348, 2021. DOI: 10.15848/hh.v14i36.1707. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1707. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: História como (In)disciplina