Machado de Assis e a experiência da historicidade

sobre historiadores assombrados e a presença fantasmagórica do passado em Casa Velha

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v14i36.1700

Palavras-chave:

Historicidade, Clima Histórico, Presença

Resumo

Neste artigo, exploro como Machado de Assis (1839-1908) articula, em Casa Velha (1885-1886), percepções relativas à experiência da historicidade e da escrita da história que tensionavam com as perspectivas vigentes na cultura de história no Brasil do século XIX. A intenção é abordar como a produção literária do escritor possibilita o diálogo com as reflexões contemporâneas nos campos da teoria e da história da historiografia que apontam para a (im)possibilidade de o passado passar, evidenciando a sua presença/ausência espectral. Nesse sentido, procuro explorar como se, por um lado, em Casa Velha, as figurações da historicidade e da escrita historiográfica pressupõem a crise do conceito moderno de história; por outro, apontam para a impossibilidade de uma ruptura completa, sendo a sua própria presença a condição para a imaginação literária. Por fim, reflito como o assombramento do passado em Casa Velha se conecta a outros escritos do autor e é análogo ao assombramento provocado por Machado na cultura de história brasileira contemporânea. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André da Silva Ramos, Universidade do Estado de Minas Gerais

André da Silva Ramos é professor de Teoria da História e História da Historiografia da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), Unidade Carangola. Doutor em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Realizou estágios de pesquisa na Universidade de Lisboa, na Stanford University e na Wesleyan University. Teve pesquisas financiadas pela Capes, Cátedra Jaime Cortesão (USP) e Fulbright. É autor do livro Robert Southey e a experiência da história: conceitos, linguagens, narrativas e metáforas cosmopolitas (2019), publicado pela parceria entre a Sociedade Brasileira de Teoria e História da Historiografia (SBTHH) e a editora Milfontes. 

Referências

ABREU, Capistrano de. Cartas 177 e 185. In: MACHADO DE ASSIS. Correspondência de Machado de Assis: tomo II, 1870-1889. Coordenação e orientação Sergio Paulo Rouanet; reunida, organizada e comentada por Irene Moutinho e Sílvia Eleutério. Rio de Janeiro: ABL, 2009. p. 175-176, p. 188.

ABREU, Capistrano de. Letras e Livros. In: GUIMARÃES, Hélio. Os leitores de Machado de Assis: O romance Machadiano e o público de literatura no século XIX. São Paulo: EDUSP, 2004. p. 347-350.

ANKERSMIT, Frank. Sublime Historical Experience. Stanford: Stanford University Press, 2005.

ARAUJO, Valdei. A Experiência do Tempo: conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1813-1845). São Paulo: Hucitec, 2008.

ARAUJO, Valdei. Cairu e a emergência da consciência historiográfica no Brasil

(1808-1830). In: NEVES, Lucia et al. (org.). Estudos de historiografia brasileira.

ed. Rio de Janeiro: FGV, 2010. p. 75-92.

ARAUJO, Valdei. Formas de ler e aprender com a História no Brasil joanino. Acervo, Rio de Janeiro, v. 22, p. 85-98, 2009. Disponível em: http://revista.arquivonacional.gov.br/index.php/revistaacervo/article/view/101. Acesso em: 16 abr. 2021.

ARAUJO, Valdei. História da Historiografia como analítica da historicidade. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 6, n. 12, p. 34-44, ago. 2013. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/620. Acesso em: 16 abr. 2021.

ARAUJO, Valdei. Historiografia, nação e os regimes de autonomia na vida letrada no Império do Brasil. Varia História, Belo Horizonte, v. 31, n. 56, p. 365-400,

maio/ago. 2015.

ARAUJO, Valdei; CEZAR, Temístocles. The forms of History in the nineteenth century: essay on Regimes of Autonomy in Brazil, Historein, Atenas, v. 17, n. 1, 2018. Disponível em: https://ejournals.epublishing.ekt.gr/index.php/historein/article/view/8812. Acesso em: 16 abr. 2021.

ARAUJO, Valdei; PEREIRA, Mateus. Atualismo 1.0: Como a ideia de atualização mudou o século XXI. Mariana: SBTHH, 2018.

AVILA, Arthur; NICOLAZZI, Fernado; TURIN, Rodrigo. A História (In)disciplinada: Teoria, ensino e difusão de conhecimento histórico. Vitória: Milfontes, 2019.

BERNARDO, Gustavo. O paradoxo cético em Machado de Assis. In: ROCHA, João Cezar de Castro. Machado de Assis: lido e relido. São Paulo: Alameda, 2016. p. 205-229.

BERNARDO, Gustavo. O problema do realismo de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

BEVERNAGE, Berber. História, memória e violência de Estado: tempo e justiça. Tradução: André Ramos; Guilherme Bianchi. Serra: Milfontes/Mariana: SBTHH, 2018.

BOSI, Alfredo. Machado de Assis: o enigma do olhar. São Paulo: Ática, 2003.

CALDWELL, Helen. O Otelo Brasileiro de Machado de Assis: um estudo de Dom Casmurro. Tradução de Fábio Fonseca de Melo. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2008.

CAMPOS, Raquel. Entre ilustres e anônimos: a concepção de história em Machado de Assis. Chapecó/SC: Argos, 2016.

CEZAR, Temístocles. Ser historiador no século XIX: o caso Varnhagen. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis, Historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

DERRIDA, Jacques. Espectros de Marx. O Estado da dívida, o trabalho do luto e a nova Internacional. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

DUARTE, Eduardo de Assis. Machado de Assis afro-descendente: escritos de caramujo (antologia). Rio de Janeiro/Belo Horizonte: Pallas/Crisálidas, 2009.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: Edufba, 2008.

GLEDSON, John. Machado de Assis: ficção e história. 2º ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

GONTIJO, Rebeca. História e historiografia nas cartas de Capistrano de Abreu. História, São Paulo, v. 24, n. 2, p.159-185, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/his/v24n2/a07v24n2.pdf. Acesso em: 16 abr. 2021.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Atmosphere, mood, Stimmung: on a hidden potential of literature. Stanford: Stanford University Press, 2012.

GUIMARÃES, Hélio. Machado de Assis, o escritor que nos lê: As figuras machadianas através da crítica e das polêmicas. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

GUIMARÃES, Lucia Maria Paschoal Guimarães. Debaixo da imediata proteção de sua majestade imperial: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1838-1889). RIHGB, Rio de Janeiro, ano 156, n. 388, jul./set. 1995.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Historiografia e nação no Brasil (1838-1857). Rio de Janeiro: EdUerj, 2011.

JINZENJI, Mônica. Cultura impressa e educação da mulher no século XIX: lições de política e moral no periódico mineiro mentor das brasileiras (1829-1832). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

KLEINBERG, Ethan. Haunting History: for a deconstructive approach to the past. Stanford: Stanford University Press, 2017.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-RJ, 2006.

LACAPRA, Dominick. Writing History, writing trauma. Baltimore: John Hopkins University Press, 2014.

LYNCH, Christian. Monarquia sem Despotismo e Liberdade sem Anarquia. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

MACHADO DE ASSIS. A Constituinte perante a história, pelo sr. Homem de Mello./ Sombras e Luz, do sr. B. Pinheiro. In: MACHADO DE ASSIS. Machado de Assis: Obra completa em quatro volumes. Vol. III. LEITE, Aluizio et al. (org.). São Paulo: Nova Aguilar, 2015c [1863]. p. 1040-1044.

MACHADO DE ASSIS. Ao Acaso. In: MACHADO DE ASSIS. Machado de Assis: Obra completa em quatro volumes. Vol. III. LEITE, Aluizio et al. (org.). São Paulo: Nova Aguilar, 2015d [1865]. p. 266-269.

MACHADO DE ASSIS. Casa Velha. Introdução de Lúcia Miguel Pereira e Ilustrações de Santa Rosa. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora, 1952.

MACHADO DE ASSIS. Comentários da Semana. In: MACHADO DE ASSIS. Machado de Assis: Obra completa em quatro volumes. Vol. III. LEITE, Aluizio et al. (org.). São Paulo: Editora Nova Aguilar, 2015a [1862]. p. 66-67.

MACHADO DE ASSIS. Correspondência de Machado de Assis: tomo II, 1870-1889. Coordenação e orientação Sergio Paulo Rouanet; reunida, organizada e comentada por Irene Moutinho e Sílvia Eleutério. Rio de Janeiro: ABL, 2009.

MACHADO DE ASSIS. Dom Casmurro. In: MACHADO DE ASSIS. Machado de Assis: Obra completa em quatro volumes. VoI. I LEITE, Aluizio et al. (org.). São Paulo: Nova Aguilar, 2015b.

MASSA, Jean-Michel. A biblioteca de Machado de Assis. In: JOBIM, José Luís. A Biblioteca de Machado de Assis. Rio de Janeiro: ABL, 2001. p. 21-90.

MBEMBE, Achille. Critique of Black Reason. Durham: Duke University Press, 2017.

OLIVEIRA, Maria da Glória. Escrever vidas, narrar a história: a biografia como problema historiográfico no Brasil Oitocentista. Rio de Janeiro: FGV, 2011.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. Os sons do silêncio: interpelações feministas decoloniais à história da historiografia. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 11, n. 28, p. 104-140, set./dez. 2018. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1414. Acesso em: 16 abr. 2021.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. A história disciplinada e seus outros: reflexões sobre as (in)utilidades de uma categoria. In: NICOLAZZI, Fernando; AVILA, Arthur; TURIN, Rodrigo. A História (In)disciplinada: Teoria, ensino e difusão de conhecimento histórico. Vitória: Milfontes, 2019. p. 53-71.

PALTI, Elias. O espelho vazio: representação, subjetividade e história em Machado de Assis. Estudios de Teoría Literaria, Mar del Plata, ano 3, n. 5, p. 251-286, 2014. Disponível em: https://fh.mdp.edu.ar/revistas/index.php/etl/article/view/854. Acesso em: 16 abr. 2021.

PEREIRA, Lúcia Miguel. Prefácio. In: MACHADO DE ASSIS, Joaquim Maria. Casa Velha. Introdução de Lúcia Miguel Pereira e Ilustrações de Santa Rosa. São Paulo: Livraria Martins Editora S.A., 1952. p. 7-26.

PEREIRA, Lúcia Miguel. Machado de Assis: Estudo Crítico e Biográfico. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1936.

PHILLIPS, Mark. Society and Sentiment: genres of historical writing in Britain, 1740 – 1820. Princeton: Princeton University Press, 1997.

PIMENTA, João Paulo et al. Independência e uma cultura de história do Brasil. Almanack, Guarulhos, n. 8, p. 5-36, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/alm/n8/2236-4633-alm-08-00005.pdf. Acesso em: 16 abr. 2021.

PINHA, Daniel. Apropriação e recusa: Machado de Assis e o debate sobre a modernidade brasileira na década de 1870. 2012. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social da Cultura – Departamento de História do Centro de Ciências Sociais da PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/21587/21587.PDF. Acesso em: 16 abr. 2021.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Escritos de Liberdade: Literatos negros, racismo e cidadania no Brasil oitocentista. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2018.

RANGEL, Marcelo. Da ternura com o passado: História e pensamento histórico na filosofia contemporânea. Rio de Janeiro: Via Verita, 2019.

RANGEL, Marcelo. Poesia, história e economia política nos Suspiros Poéticos e Saudades e na Revista Niterói. 2011. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social da Cultura – Departamento de História do Centro de Ciências Sociais da PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/18523/18523_1.PDF. Acesso em: 16 abr. 2021.

ROAUNET, Sergio Paulo. Apresentação. In: ROAUNET, Sergio Paulo. Correspondência de Machado de Assis: tomo II, 1870-1889. Coordenação e orientação Sergio Paulo Rouanet; reunida, organizada e comentada por Irene Moutinho e Sílvia Eleutério. Rio de Janeiro: ABL, 2009. p. VII-XXIX.

ROCHA, João Cezar de Castro. Machado de Assis: por uma poética da emulação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

ROCHA, João Cezar de Castro. Machado de Assis, leitor (autor) da Revista do IHGB. In: JOBIM, José Luís. A Biblioteca de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2001. p. 317-334.

ROMERO, Silvio. Machado de Assis: estudo comparativo de literatura brasileira. Rio de Janeiro: Laemmert & C. – Editores, 1897.

ROSA, Giorgio. A Suprema Causa Motora: o providencialismo e a escrita da História no Brasil (1808-1825). 2011. Dissertação (Dissertação em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2011.

ROUSSO, Henry. A última catástrofe: a história, o presente, o contemporâneo. Tradução de Fernando Coelho e Fabrício Coelho. Rio de Janeiro: FGV, 2016.

RUNIA, Eelco. Moved by the Past: discontinuity and historical mutation. New York: Columbia University Press, 2014.

SALOMON, Marlon. Heterocronias: estudos sobre as multiplicidades dos tempos históricos. Goiânia: Edições Ricochete, 2018.

SANTIAGO, Silviano. Machado: romance. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

SCARPELLI, Marli. Machado de Assis: entre o preconceito, a abolição e a canonização. Matraga, Rio de Janeiro, v. 15, n. 23, p. 55-73, jul./dez. 2008. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/matraga/article/view/27886. Acesso em: 16 abr. 2021.

SCHNEIDER, Alberto Luiz. Machado de Assis e Silvio Romero: escravismo, “raça” e cientificismo em tempos de campanha abolicionista (década de 1880). Almanack, Guarulhos, n. 18, p. 451-488, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/alm/n18/2236-4633-alm-18-451.pdf. Acesso em: 16 abr. 2021.

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as Batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. 2ª ed. São Paulo: Duas Cidades, 1981.

SCHWARZ, Roberto. Um Mestre na Periferia do Capitalismo: Machado de Assis. 3. ed. São Paulo; Ed. 34, 1997.

SILVA, Bruno Diniz. Da Restauração à Regeneração: Linguagens políticas em José da Silva Lisboa (1808-1830). 2010. Dissertação (Dissertação em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2010.

SILVA, Teresinha. Machado de Assis e o mulato de “alma grega”. Machado de Assis em linha, Rio de Janeiro, v. 7, n. 14, p. 229-239, jun./dez. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/mael/v7n14/1983-6821-mael-7-14-00229.pdf. Acesso em: 16 abr. 2021.

SILVA, Weder. O Labirinto Imperial: Teófilo Ottoni, a imprensa política e a questão do herói nacional no Brasil do século XIX (1807-1869). 2014. Tese (Tese em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Instituto de História da UFRJ, Rio de Janeiro, 2014.

TURIN, Rodrigo. Tempos precários: aceleração, historicidade e semântica neoliberal. 1. ed. Dansk: Zazie Edições, 2019.

TURIN, Rodrigo. Tessituras do tempo: discurso etnográfico e historicidade no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

VARELLA, Flávia Florentino. Da Impossibilidade de se aprender com o passado: sentimento, comércio e escrita da História na História do Brasil de John Armitage. 2011. Dissertação (Dissertação em História) Programa de Pós-Graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-08092011-110830/pt-br.php. Acesso em: 16 abr. 2021.

VITAL, Selma. Quase brancos, quase pretos: representação étnico-racial no conto machadiano. São Paulo: Intermeios, 2012.

WERNECK, Maria Helena. O Homem Encadernado: Machado de Assis na Escrita das Biografias. 3. ed. Rio de Janeiro: EDUERG, 2008.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

RAMOS, A. da S. Machado de Assis e a experiência da historicidade: sobre historiadores assombrados e a presença fantasmagórica do passado em Casa Velha. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 14, n. 36, p. 257–288, 2021. DOI: 10.15848/hh.v14i36.1700. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1700. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: História como (In)disciplina