História, ciência, e sociedade em Fausto Cardoso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15848/hh.v14i36.1673

Palavras-chave:

Cientificismo, Epistemologia, Historiografia brasileira

Resumo

O presente ensaio apresenta a série de artigos “A ciência da história”, material publicado por Fausto Cardoso na Revista Brasileira, no decorrer do ano de 1895. Objetiva-se colocar em evidência a sua reflexão acerca dos fundamentos da prática científica, bem como do estatuto científico da história. É nossa pretensão contextualizar os escritos de Cardoso junto aos horizontes do cientificismo brasileiro. Tomamos as suas reflexões como indícios das transformações pelas quais o contexto epistêmico-historiográfico das décadas finais do século XIX atravessou. Ao estudarmos os artigos do intelectual sergipano, temos a possibilidade, ainda, de reelaborar a memória disciplinar da história da historiografia brasileira, que por muito tempo sustentou que o seu foco de análise era o progresso da pesquisa histórica científica. Assim sendo, os textos de Fausto Cardoso mostram-se úteis para intensificarmos a descrição dos planos de historicidade que envolvem as formas possíveis de legitimação da disciplina história em nosso país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Piero Detoni, Universidade de São Paulo

Piero Detoni é doutorando em História Social pela FFLCH/USP. Licenciado, bacharel e mestre em História pela UFOP. Estuda, atualmente, a experiência historiográfica no IHGB na Primeira República. Autor de É a história uma ciência? (2021).

Referências

ABREU, João Capistrano. Necrológio de Francisco Adolfo de Varnhagen, Visconde de Porto Seguro. In: NICOLAZZI, Fernando (org.). História e historiadores do Brasil: do fim do império ao alvorecer da República. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2015. p. 13-32.

ALONSO, Ângela. Ideias em movimento: a geração de 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

BRESCIANI, Maria Stella Martins. O charme da ciência e a sedução da objetividade. Oliveira Viana entre intérpretes do Brasil. São Paulo: UNESP, 2005.

CANDIDO, Antonio. A sociologia no Brasil. Tempo social, São Paulo, v. 18, n. 1,

p. 271-301, 2006. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/12503. Acesso em: 25 jan. 2020.

CARDOSO, Fausto. A ciência da história. Revista Brasileira, Rio de Janeiro, ano I, tomo II, fascículo V, p. 237-251, 1895a.

CARDOSO, Fausto. A ciência da história. Revista Brasileira, Rio de Janeiro, ano I, tomo II, fascículo VIII, p. 74-89, 1895b.

CARDOSO, Fausto. A ciência da história. Revista Brasileira, Rio de Janeiro, ano I, tomo III, fascículo XIII, p. 45-59, 1895c.

CARDOSO, Fausto. A ciência da história. Revista Brasileira, Rio de Janeiro, ano I, tomo III, fascículo XVII, p. 295-309, 1895d.

CARDOSO, Fausto. A ciência da história. Revista Brasileira, ano I, t. IV, fascículo XXI, p. 140-154, 1895e.

CEZAR, Temístocles. Lições sobre a escrita da história: as primeiras escolhas do IHGB. In: PEREIRA DAS NEVES, Lucia Maria Bastos et al. (org.). Estudos de historiografia brasileira. Rio de Janeiro: FGV, 2011. p. 93-124.

CHARTIER, Roger. A história cultural entre práticas e representações. Tradução de Maria Manuela Galhardo. Lisboa: Difel, 1990.

DETONI, Vicente da Silveira. A moderna historia magistra vitae de José Oiticica: regimes historiográficos e ordem do tempo no Brasil (c. 1870 – 1940). 2019. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/206273. Acesso em: 29 mar. 2020.

DÓRIA, Carlos Alberto. Cadências e decadências do Brasil (o futuro da nação à sombra de Darwin, Haeckel e Spencer). 2007. Tese (Doutorado em sociologia) – Curso de Pós-graduação em Sociologia, Universidade de Campinas, Campinas, 2007. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/281054.

Acesso em: 11 fev. 2020.

GOMES, Angela de Castro. A reflexão teórico-metodológica dos historiadores brasileiros: contribuições para pensar a nossa História. In: GUAZELLI, Carlos A. Barcellos et al. (org.). Questões de teoria e metodologia da história. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2000. p. 19-26.

GOMES, Angela de Castro. A república, a história e o IHGB. Belo Horizonte: Argumentum, 2009.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Historiografia e cultura histórica: notas para um debate. Ágora, Vitória, vol. 11, p. 31-47, 2005.

HERSCHMANN, Micael. Entre a insalubridade e a ignorância: a construção do campo médico e do ideário moderno no Brasil. In: KROPF, Simone; HERSCHMANN, Micael; NUNES, Clarice (org.). Missionários do progresso. Rio de Janeiro: Diadorim,

p. 11-67.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. Tradução de Valério Rohden e Antônio Marques. São Paulo: Forense Universitária, 2005.

KOSELLECK, Reinhart. Historia Magistra Vitae. Sobre a dissolução do topos na história moderna em movimento”. In: KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução de Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006. p. 41-60.

KUNHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. Tradução: Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 1975.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo Saquarema. São Paulo: HUCITEC; Brasília: INL, 1987.

MURARI, Luciana. Tudo mais é paisagem. Representações da natureza na cultura brasileira. 2002. Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-graduação em História Social, Universidade São Paulo, São Paulo, 2002. Disponível em: https://cutt.ly/BxVx7Cf. Acesso em: 22 fev. 2020.

NETO, Mauro Franco. Ciência, evolução e experiência do tempo no fin de siècle: estudos e revisões sobre letrados brasileiros e argentinos. 2015. Dissertação (Mestrado em História Social da Cultura) – Programa de Pós-graduação em História Social da Cultura, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

Disponível em: https://cutt.ly/OxVc3tb. Acesso: 01 abr. 2020.

NICOLAZZI, Fernando. A história e seus passados: regimes historiográficos e escrita da história. In: BENTIVOGLIO, Julio; NASCIMENTO, Bruno (org.). Escrever história: historiadores e historiografia brasileira nos séculos XIX e XX. Serra: Editora Milfontes, 2017. p. 7-36.

NICOLAZZI, Fernando. Orden del tiempo y escritura de la historia: consideraciones sobre el ensayo historico em el Brasil, 1870-1940. Prismas, Revista de historia intelectual, Buenos Aires, n. 19, 2015. Disponível em: https://cutt.ly/TxVcsFl. Acesso em: 03 fev. 2020.

OITICICA, José. Como se deve escrever a história do Brasil. Revista Americana,

Rio de Janeiro, ano I, n. 7, p. 109-117, 1910.

OLIVA, Terezinha. Impasses do federalismo brasileiro (Sergipe e a Revolta de Fausto Cardoso). São Paulo: Paz e Terra, 1985.

PEREIRA, Mateus H. F.; SANTOS, Pedro Afonso C.; NICODEMO, Thiago Lima. Uma introdução à história da historiografia brasileira (1870-1970). Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2018.

PRADO, Giliard da Silva. Batalhas da memória política em Sergipe: as comemorações das mortes de Fausto Cardoso e Olímpio Campos (1906 – 2006). 2009. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Brasília, Distrito Federal, 2009. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/4060. Acesso em: 04 fev. 2020.

ROMERO, Sílvio. A América Latina (análise do livro de igual título do Dr. M. Bomfim). Porto: Livraria Chardron, 1906.

ROMERO, Sílvio. História da literatura brasileira. Tomo Primeiro. Rio de Janeiro:

H. Garnier; Livreiro-Editor, 1902.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e a questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo - Machado de Assis. São Paulo: Duas Cidades, 1990.

VERGARA, Moema. Ciência e literatura: a Revista Brasileira como espaço de vulgarização científica. Sociedade e cultura, Goiânia, v. 7, n. 1, p. 75-88, 2004. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fcs//article/view/926. Acesso em: 02 fev. 2020.

VERÍSSIMO, José. O modernismo. Revista do Brasil, São Paulo, ano I, v. I, 1916.

WEHLING, Arno. A invenção da História: estudos sobre o historicismo. Rio de Janeiro: EDUFF, 1994.

WEHLING, Arno. Historiografia e epistemologia histórica. In: MALERBA, Jurandir (org.). A história escrita: teoria e história da historiografia. São Paulo: Contexto, 2006. p. 175-189.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

DETONI, P. História, ciência, e sociedade em Fausto Cardoso. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 14, n. 36, p. 197–224, 2021. DOI: 10.15848/hh.v14i36.1673. Disponível em: https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1673. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: História como (In)disciplina