O problema da forma

cultura e Estado em Raízes do Brasil, 1936

  • Damião Farias Universidade Federal da Grande Dourados
Palavras-chave: Raízes do Brasil, Friedrich Nietzsche, Forma e conteúdo

Resumo

O artigo problematiza o tema da forma na obra Raízes do Brasil, edição de 1936. Para realizar a interpretação, buscamos aporte em autores que tiveram confluências com o modernismo no Brasil e em outros países. Assim trabalhamos, sobretudo, com Nietzsche. Acreditamos ter alcançado êxito em demonstrar os vínculos das abordagens de Holanda em direções estético-expressivas sobre os ajustamentos e dissonâncias entre forma e conteúdo, cultura e Estado na história brasileira, nos períodos do Império e República. Holanda perscrutou os tempos brasileiros e divisou o distanciamento progressivo das formas políticas liberais em relação aos valores culturais do personalismo que caracterizaram a nossa história. Sua proposição é, ainda que difícil de ser vislumbrada, a favor de nova configuração da política em termos congênitos à específica cultura nacional, com o objetivo de melhor expressar os valores personalistas, em regime oligárquico/aristocrático, o que supostamente abriria a história brasileira para a criação de novas possibilidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Damião Farias, Universidade Federal da Grande Dourados

Damião Duque de Farias é docente do Curso de História da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Foi Reitor da UFGD no período de 2006-2015. Licenciado em História, possui títulos de mestre e doutor em História Social, pela Universidade de São Paulo (USP). Em 2019, realizou estágio de pós-doutoramento junto ao Programa de Filosofia da UNIOESTE, Toledo-PR. Especialista em História da Igreja Católica no Brasil Republicano, desde 2017, suas pesquisas abordam as interpretações da filosofia de Friedrich Nietzsche na obra de Sérgio Buarque de Holanda e de outros intelectuais do modernismo brasileiro. Publicou artigos e livro sobre os temas mencionados.

Referências

BASTOS, Élide Rugai. Um livro entre duas Constituintes. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Organização de Pedro Meira Monteiro e Lilia Moritz Schwarcz. Estabelecimento de texto e notas Maurício Acuña e Marcelo Diego. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. p. 405-410.

CHAVES, Ernani. Raízes do Brasil e Nietzsche. Cult: Revista Brasileira de Literatura, São Paulo, ano IV, n. 37, p. 52-55, ago. 2000.

DEWEY, John. Arte como experiência. BOYDSTON, J. (org.); Tradução de Vera Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

EUGÊNIO, João Kennedy. Um ritmo espontâneo – o organicismo em Raízes do Brasil e Caminhos e Fronteiras, de Sérgio Buarque de Holanda. 2010. Tese (Doutorado em História Social) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

FELDMAN, Luiz. Um clássico por amadurecimento: Raízes do Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 28, n. 82, p. 119-140, jun. 2013.

FREZZATTI JR, Wilson. A superação da dualidade cultura/biologia na filosofia de Nietzsche. Revista Tempo da Ciência, Toledo, v.11, n. 22, p. 115-135, 2004.

HOLANDA, Sérgio B Buarque de Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1936.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Organização de Pedro Meira Monteiro e Lilia Moritz Schwarcz. Estabelecimento de texto e notas Maurício Acuña e Marcelo Diego. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Thomas Mann. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes de Sérgio Buarque de Holanda. Organização de Francisco de Assis Barbosa. Rio de Janeiro: Rocco, 1988. p. 294-297.

HOLANDA, Sérgio. Buarque de. Elisabeth Foerster. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Escritos coligidos – Livro I (1920-1949). Organização de Marcos Costa. São Paulo: Editora Perseu Abramo; Editora da UNESP, 2011. p. 79-82.

MANN, Thomas. O lugar de Freud na história do pensamento moderno. In: MANN, Thomas. Pensadores modernos. Tradução de Márcio Suzuki. Rio de Janeiro: Zahar, 2015. p. 11-52.

MATA, Sérgio da. Tentativas de desmitologia: a revolução conservadora em Raízes do Brasil. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 36, n. 73, p. 63-87, 2016.

MELÉNDEZ, Germán. Homem e estilo em Nietzsche. Cadernos Nietzsche, São Paulo, n. 11, p. 13-39, 2001.

NICODEMO, Thiago Lima. Para além de um prefácio: ditadura e democracia no diálogo entre Antonio Candido e Sérgio Buarque de Holanda. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 36, n. 73, p. 159-180, 2016.

NIETZSCHE, Friedrich. Crepúsculo dos Ídolos ou como se filosofa com o martelo. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. Aurora. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia de Bolso, 2016.

NIETZSCHE, Friedrich. Ecce Homo. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

NIETZSCHE, Friedrich. Escritos sobre História. SOBRINHO, N. C. de M. (Organização e tradução). Rio de Janeiro: PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. Escritos sobre Política. SOBRINHO, N. C. de M. (Organização e tradução). Rio de Janeiro: PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2007. v. 2.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da Moral, uma polêmica. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado humano. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia de Bolso, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. O caso Wagner. Nietzsche contra Wagner. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia de Bolso, 2016.

NIETZSCHE, Friedrich. Terceira consideração intempestiva – Schopenhaeur Educador. São Paulo: Scala, 2008.

RIBEIRO, Douglas Carvalho. As raízes antiliberais de Sérgio Buarque de Holanda: Carl Schmitt em Raízes do Brasil. 2017. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de História, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

RODRIGUES, Luzia Gontijo. Nietzsche e Platão: arte e orquestração das paixões. Kriterion, Belo Horizonte, n. 109, p. 136-158, jun. 2004.

RUBIRA, Luís. Nietzsche no Brasil (1933-1943): Da ascensão do nacional-socialismo ao Grande Reich Alemão. Cadernos Nietzsche, São Paulo, v. 37, n. 3, p. 18-64, out./dez. 2016.

SCHLEGEL, Rogério. O estatismo orgânico como contribuição original em Raízes do Brasil, 1936. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 93, p. 1-37, 2017.

WAIZBORT, Leopoldo. O mal-entendido da democracia – Sérgio Buarque de Holanda, Raízes do Brasil, 1936. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 26, n. 76, p. 39-62, 2011.

Publicado
2021-04-11
Como Citar
FARIAS, D. O problema da forma: cultura e Estado em Raízes do Brasil, 1936. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 14, n. 35, p. 83-114, 11 abr. 2021.
Seção
Artigo original