Entre a tradição e a inovação: o IHGB e a escrita biográfica nas primeiras décadas republicanas

  • Alexandre de Sá Avelar Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: biografia; Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro; história

Resumo

Ao longo de todo o período imperial, o gênero biográfico exerceu um expressivo papel na operação historiográfica do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), cujos sócios viam nas narrativas dos indivíduos ilustres não apenas guias exemplares para o presente e para o futuro, mas também uma modalidade de preservação do que era considerado relevante no passado nacional. Esses objetivos se alteraram sensivelmente com o advento do regime republicano? A queda da Monarquia redefiniu o estatuto do gênero biográfico entre os sócios da velha instituição? O presente artigo, ao analisar uma parte da produção biográfica do IHGB, nas duas primeiras décadas republicanas, tem como principal objetivo responder a essas questões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARARIPE, Tristão de Alencar. Indicações sobre a História Nacional. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, t.57, parte II, p.259-290, 1895.
ARAÚJO, Valdei Lopes de. A experiência do tempo: conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1813-1845). São Paulo: Hucitec, 2008.
D´AQUINO E CASTRO, Olegario Herculano. Discurso. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro t. LXIV (2), p.319-328, 1901.
CÉZAR, Temístocles. O que fabrica o historiador quando faz história hoje? Ensaio sobre a crença na história (Brasil, séculos XIX-XXI). Revista de Antropologia, v.61, n.2, p.78-95, 2018a. DOI: 10.11606/2179-0892.ra.2018.148933. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ra/article/view/148933/146996. Acesso em 16 jul.2019.
CÉZAR, Temístocles. Ser historiador no século XIX: o caso Varnhagen. Belo Horizonte: Autêntica, 2018b.
FERREIRA, J. C. de Souza. Visconde de Mauá (esboço biographico). Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, t. LXII, pp.74-136, 1900.
GOMES, Ângela de Castro. A República, a História e o IHGB. Belo Horizonte: Fino Traço, 2009.
GUIMARÃES, Lúcia Maria Paschoal. Da Escola Palatina ao Silogeu: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1889-1938). Rio de Janeiro: Museu da República, 2007.
HRUBY, Hugo. O século XIX e a escrita da história: diálogos na obra de Tristão de Alencar Araripe (1867-1895). Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.
LESSA, Pedro. Reflexões sobre o conceito de História. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, t. 69, v.114, p.193-285, 1906.
MELLO, José Alexandre Teixeira. Relatório dos trabalhos annuaes de 1889 e 1890. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, t. LXIII, parte II, p.561-565, 1890.
MENEZES, Rodrigo Octávio Langgaard. Alexandre de Gusmão e o Monroísmo. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, volume 175, 1941, p 5-69.
OLIVEIRA, Maria da Glória. Escrever vidas, narrar a história: a biografia como problema historiográfico no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2011.
OLIVEIRA, Maria da Glória. Biografia e historia magistral vitae: sobre a exemplaridade das vidas ilustres no Brasil oitocentista. Anos 90, v.22, n.42, p.273-294, 2015.
PINHEIRO, José Feliciano Fernandes. Da vida e feitos de Alexandre de Gusmão e de Bartholomeu Lourenço de Gusmão. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, t. LXV, parte I, p.377-423, 1902.
REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO, LII, parte II, 1889, 580p.
REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO, t. LXII, 1900, 490p.
ROMERO, Sílvio. A história do Brasil ensinada pela biografia de seus heróis. Rio de Janeiro: Livraria Alves e Cia., 1890.
ROMERO, Sílvio. Da interpretação filosófica na evolução dos fatos históricos. Studia, Rio de Janeiro, n.2, Ano II, p.143-154, 1951.
SILVA, Alfredo do Nascimento. Um átomo da História Pátria: histórico da Sociedade Amante da Instrucção. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, t.55, parte II, p.97-140, 1892.
SILVA, Gabriela Correa. Dos passados heterogêneos ao mosaico continental: pan-americanismo e operação historiográfica no IHGB republicano (1889-1933). Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.
SOUSA, Francisco Gouveia de. Proclamação e revolta: recepções da República pelos sócios do IHGB e a vida da cidade (1880-1900). Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social da Cultura, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.
Publicado
2020-08-08
Como Citar
AVELAR, A. DE S. Entre a tradição e a inovação: o IHGB e a escrita biográfica nas primeiras décadas republicanas . História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 13, n. 33, p. 397-429, 8 ago. 2020.
Seção
Artigo