Tempo do evento, poética da história: maio de 1968 segundo Michel de Certeau e Cornelius Castoriadis

Palavras-chave: Escrita da História, Acontecimento, Tempo histórico

Resumo

Este artigo analisa e estabelece comparações entre as interpretações de Michel de Certeau e Cornelius Castoriadis sobre as manifestações de maio de 1968. São privilegiados os escritos produzidos por ambos os autores na própria conjuntura do evento, não obstante relações com textos posteriores também sejam realizadas. Por meio da análise desses materiais distintos, sugere-se a relevância dos acontecimentos de 1968 para a formulação de algumas ideias-chave dos dois autores, sobretudo no que diz respeito ao significado conferido ao evento como o surgimento do novo, do inesperado, do impensável. Essa valorização da radical novidade das ocorrências de maio se relacionava com pressupostos ontológicos sobre a temporalidade da história como experiência vivida, mas também incidia sobre os fundamentos epistemológicos da história como forma de escrita. Suas análises, portanto, permitem explorar importantes implicações teóricas, políticas e até mesmo poéticas do significado conferido ao evento pela historiografia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas Attila Marcelino, Universidade Federal de Minas Gerais

Departamento de História/Programa de Pós-graduação em História da UFMG.

Área: Teoria da História e História da Historiografia

Publicado
2019-08-27
Como Citar
MARCELINO, D. A. Tempo do evento, poética da história: maio de 1968 segundo Michel de Certeau e Cornelius Castoriadis. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 12, n. 30, 27 ago. 2019.
Seção
Artigo