O culto às ideias em Germán Carrera Damas

Palavras-chave: América Latina, Historiografia hispano-americana, História das idéias

Resumo

A fórmula do “culto a Bolívar”, elaborada por Germán Carrera Damas em seu livro homônimo, é uma das leituras mais usais e originais sobre o passado venezuelano. Nela, a permanência de imagens do herói no cenário político, ao longo da história, é percebida como uma corruptela do percurso histórico que a nação deveria perseguir. A lógica desse argumento deriva diretamente de um embasamento na História das ideias, o que a leva a uma sequência de problemas de ordem interpretativa e metodológica. O intuito do presente trabalho é debater essas complicações, tendo em vista a centralidade do pensamento de Carrera Damas para a escrita da história venezuelana. Sob o escrutínio das críticas que Elias Palti tece à História das ideias na América Latina e dos estudos de linguagens políticas de John Pocock, busca-se, aqui, desconstruir duas percepções da historiografia de Carrera Damas: 1. que o culto a Bolívar esteja implicado no atraso sociopolítico venezuelano; e 2. que esse fenômeno possa ser reduzido a uma ideologia instrumentalizada para dominação social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Amilton Martins, Universidade Estadual de Campinas
Mestre em História (política, memória e cidade) pela UNICAMP, graduado em História pela UFPE.
Publicado
2019-08-27
Como Citar
MARTINS, M. A. O culto às ideias em Germán Carrera Damas. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 12, n. 30, 27 ago. 2019.
Seção
Artigo