Pintura de uma paisagem

Com a metodicidade das obras de jurisprudência: o julgamento histórico a partir da Guerra civil no Rio Grande do Sul, de Tristão de Alencar Araripe (1879-1881)

Juliano Francesco Antoniolli

Resumo


Neste artigo,analiso o julgamento histórico como parte integrante da produção historiográfica no século XIX. Para isso, exploro o confronto de interpretações acerca da Revolução Farroupilha (1835-1845) iniciado em 1879, em torno da memória documentada de Tristão de Alencar Araripe, e da recepção desse documento na Corte e na província do Rio Grande do Sul. A memória e as respostas que ela gerou permitem refletir sobre a construção de juízos pelos historiadores na sua prática de representação do passado. Nesse sentido, exploro duas possibilidades de interpretação. No primeiro momento, trato de refletir o condicionamento social dos julgamentos históricos, salientando, para o caso de Araripe, os aspectos relativos à sua formação e atuação como letrado e como político. Em seguida, debruço-me sobre alguns princípios que fundamentavam o ofício do historiador, tais como a seleção das fontes e a imparcialidade na apreciação dos fatos, por meio da crítica à memória formulada por Karl von Koseritz.


Referência bibliográfica


ANTONIOLLI, Juliano Francesco. “Tão longe quanto a previsão científica possa alcançar”: a experiência do tempo da geração republicana da Faculdade de Direito de São Paulo (1878-1882). Tese (Doutorado em História). PPG em História, Universidade Fede-ral do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

ARARIPE, Tristão de Alencar. Guerra civil do Rio Grande do Sul: memoria acompanha-da de documentos, lida no Instituto Istórico e Geografico do Brazil. RIHGB, t. 43, parte II, p. 115-359, 1880.

ARAUJO, Valdei Lopes de. Historiografia, nação e os regimes de autonomia na vida letrada no Império do Brasil. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 31, n. 56, mai.-ago. 2015, p. 365-400.

BARBOSA, Januário da Cunha. Discurso. RIHGB, t. 1, p. 9-17, 1839.

BOEIRA, Luciana Fernandes. Como salvar do esquecimento os atos bravos do pas-sado rio-grandense: a província de São Pedro como um problema político-historiográfico no Brasil imperial. Tese (Doutorado em História). PPG em História, Uni-versidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro das sombras: a política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008 [1980/1988].

CERTEAU, Michel de. A operação historiográfica. In: CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006 [1975], p. 65-119.

CESAR, Guilhermino. História da literatura do Rio Grande do Sul (1737-1902). Por-to Alegre: Globo, 1971 [1956].

CEZAR, Temístocles. Como deveria ser escrita a história do Brasil no século XIX. En-saio de história intelectual. In: Sandra J. PESAVENTO (org.). História cultural: experi-ências de pesquisa. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2003, p. 173-208.

CEZAR, Temístocles. Presentismo, memória e poesia. Noções de escrita da história no Brasil oitocentista. In: Sandra J. PESAVENTO (org.). Escrita, linguagem, objetos: lei-turas de história cultural. Bauru: EDUSC, 2004, p. 43-80.

CEZAR, Temístocles. A retórica da nacionalidade de Varnhagen e o mundo antigo: o caso da origem dos tupis. In: Manoel Luiz Salgado GUIMARÃES (org.). Estudos sobre a escrita da história. Rio de Janeiro: 7Letras, 2006, p. 29-41.

CEZAR, Temístocles. Lições sobre a escrita da história: as primeiras escolhas do IHGB. A historiografia brasileira entre os antigos e os modernos. In: NEVES, Lucia Maria Bas-tos Pereira das, et alli (orgs.). Estudos de historiografia brasileira. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2011, p. 93-124.

GRIJÓ, Luiz Alberto. “Articuladores do Partido Republicano apropriam-se da ‘Revolu-ção’”. Revista Humanas, Porto Alegre, v. 28, n. 2, 2006, p. 11-30.

GRÜTZMANN, Imgart. Intelectuais de fala alemã no Brasil do século XIX: o caso Karl von Koseritz (1830-1890). História Unisinos, v. 11, n. 1, jan.-abr. 2007, p. 123-133.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Historiografia e nação no Brasil: 1835-1857. Rio de Janeiro: EdUERJ; Edições ANPUH, 2011.

HRUBY, Hugo. O século XIX e a escrita da história do Brasil: diálogos na obra de Tristão de Alencar Araripe (1867-1895). Tese (Doutorado em História). PPG em Histó-ria, Pontíficia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

KIRKENDALL, Andrew J. Class mates. Male student culture and the making of politi-cal class in Nineteenth-Century Brazil. Nebraska: University of Nebraska Press, 2002.

KOSELLECK, Reinhart. L’expérience de l’histoire. Paris: Seuil/Gallimard, 1997.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históri-cos. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio/Contraponto, 2006.

KOSERITZ, Karl von. O livro do Sr. conselheiro Araripe. Gazeta de Porto Alegre, n. 125, 04/06/1881; n. 127, 07/06/1881; n. 132, 13/06/1881; n. 135, 17/06/1881; n. 139, 22/06/1881; n. 142, 27/06/1881; n. 143, 28/06/1881; n. 146, 02/07/1881. IHGB, Coleção Acervos Pessoais, Acervo Tristão de Alencar Araripe, Lata 820, doc.7, “Artigos Carlos Koseritz sobre a Guerra civil do Rio Grande do Sul, 1881”.

LAMB, Nayara Emerick. História de Farrapos: biografia, historiografia e cultura histó-rica no Rio Grande do Sul oitocentista. Dissertação (Mestrado em História). PPG em His-tória, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

LAZZARI, Alexandre. Entre a grande e a pequena pátria: letrados, identidade gaúcha e nacionalidade (1860-1910). Tese (Doutorado em História). PPG em História, Universi-dade de Campinas, Campinas, 2004.

MARTIUS, Karl von. Como se deve escrever a Historia do Brazil. Dissertação offerecida ao Instituto Historico e Geographico do Brasil. RIHGB, t. 7, n. 24, 1845, p. 381-403.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema. São Paulo: Hucitec, 2011 [1985].

MOMMSEN, Wolfgang J. 1978. Social conditioning and social relevance of historical judgments. History and theory, v. 17, n. 4, p. 19-35.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. Escrever vidas, narrar a história. A biografia como problema historiográfico no Brasil oitocentista. Tese (Doutorado em História Social). PPG em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

PAREDES, Marçal de Menezes. O cientificismo no Rio Grande do Sul e sua interface em Portugal: um estudo de recepção e troca cultural no final do século XIX. Ciências e le-tras, Porto Alegre, n. 41, jan./jun. 2007, p. 241-254.

PICCOLO, Helga. Da descolonização à consolidação da República: a questão do separa-tismo versus federação no Rio Grande do Sul, no século XIX. Indicadores econômicos FEE, Porto Alegre, v. 21, n. 3, 1993, p. 148-158.

REVISTA DO INSTITUTO HISTORICO E GEOGRAPHICO DO BRASIL. 1879, t. 42, parte II; 1882, t. 45, parte II; 1883, t. 46, parte II; 1884, t. 47, parte II.

RODRIGUES, Mara Cristina de Matos. A releitura do passado farroupilha no IHGB (1921-1935): memória republicana e legitimidades intelectuais. Revista Tempo, Rio de Janeiro, v. 19, n. 35, jul./dez., 2013, p. 161-183.

SANTOS, Pedro Afonso Cristovão. Compilação e plágio: Abreu e Lima e Melo Morais lidos no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. História da historiografia, Ouro Preto, n. 13, dez. 2013, p. 45-62.

SANTOS, Pedro Afonso Cristovão. De “Ramusio” a plagiário: apontamentos sobre a relação de Alexandre José de Melo Morais (1816-1882) com o Instituto Histórico e Geo-gráfico Brasileiro. Revista do IHGB, Rio de Janeiro, ano 176, n. 466, jan.-mar. 2015, p. 151-178.

SILVEIRA, Pedro Telles da. O cego e o coxo: historiografia, erudição e retórica no Brasil do século XVIII. São Paulo: Fap-UNIFESP, 2016.

SOARES, Fabrício A. A. Farrapos de estórias: romance e historiografia da Farroupilha (1841-1999). Tese (Doutorado em História). PPG em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

STUDART, Guilherme. (Barão de Studart). Pequeno diccionario biobibliographico cea-rense. Revista da Academia Cearense. Fortaleza: Typographia Studart, 1899-1907.

TIBURSKI, Eliete L. Escrita da história e tempo presente no Brasil oitocentista. Dissertação (Mestrado em História). PPG em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

TURIN, Rodrigo. “Uma nobre, difícil e útil empresa”: o ethos do historiador oitocentista. História da historiografia, Mariana, n. 2, 2009, p. 12-28.

VAMPRÉ, Spencer. Memórias para a história da academia de São Paulo. São Paulo: Saraiva e Companhia, 1924, v. 1.

VARNHAGEN, Francisco Adolpho de. Historia geral do Brazil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Laemmert, 1877, v. 2.

Palavras-chave


História da historiografia; Julgamento histórico; Tristão de Alencar Araripe

Texto completo:

214-243


DOI: https://doi.org/10.15848/hh.v12i29.1380

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia